"POR UN PLANETA LIBRE DE CONTAMINACION"

Entradas etiquetadas como ‘lite on’

ENGORDA POLUICAO (PORTUGUES)

ENGORDA POLUIÇÃO

Vários estudos químicos ligação predisposição à obesidade
Eles são em cremes ou de plástico e actuam como hormonas

Quilos e … mais de contaminados

Espanha tem uma taxa de prevalência de obesidade entre 23% e 28%. / SANTI BURGOS

Poluição não é só associado a um risco aumentado de ataques cardíacos, problemas respiratórios ou desenvolver tumores. Certos produtos químicos sintéticos muito presentes no ambiente e na vida cotidiana (associados aos pesticidas e inseticidas, mas também perfumes, plásticos e cosméticos) predispõem à obesidade, segundo um número crescente de estudos. Isto foi recentemente destaque o Centro de Rede de Pesquisa Biomédica, Fisiopatologia da Obesidade e Nutrição (CIBERobn), que reúne 24 grupos de pesquisa principais da obesidade espanhol.

Alguns destes poluentes ambientais são substâncias que se apresentam como hormônios (atuando como desreguladores endócrinos, no jargão), confundir o corpo e provocar distúrbios metabólicos que modificam os processos de acumulação de gordura no corpo.

Embora o interesse centrou-se na relação entre poluição (principalmente ar) e as principais causas de morte nas sociedades desenvolvidas (câncer e processos cardiovasculares), pouca atenção foi dada ao envolvimento de sobrepeso tóxico outro. Mas a obesidade é uma epidemia e, como enfatizado por Javier Salvador, pesquisador CIBERobn: “Passamos de uma prevalência de 12% em Espanha entre 23% e 28%.” E o estudo das causas do excesso de peso “é cada vez mais na moda”, disse Salvador, que também é presidente da Sociedade Espanhola de Endocrinologia e Nutrição. Portanto, o foco está se abrindo para entender qual o papel destes poluentes em uso comum, tanto neste problema como no diabetes tipo 2.

Substâncias tóxicas alterar o metabolismo e confundir o corpo

A mais recente iniciativa para realçar essa ligação tem festa CIBERobn através de um compêndio de estudos recentes publicados nos últimos anos. “É um novo campo”, diz Nicolas Olea, Professor de Medicina da Universidade de Granada, e um dos principais especialistas espanhóis sobre os jogadores da relação entre poluição ambiental e excesso de peso.

Entre eles estão os chamados poluentes orgânicos persistentes (POPs), produtos químicos, com alta resistência à degradação, que se acumulam na cadeia alimentar e que ser solúvel em gordura, eles se concentram na gordura. Por exemplo, os pesticidas organoclorados como o DDT. “A partir de sua persistência nos dá uma boa idéia ainda foi detectada em 88% da população quando foi proibido em 1975”, disse Salvador.

Eles são unidos seudopersistentes compostos, como observado por Olea. Eles têm a mesma capacidade de olhar para o corpo, mas a exposição a estas substâncias é tão contínua que também atuam como desreguladores endócrinos em uma base diária.

Estes compostos
não só gordura,
doente também

Este grupo inclui os ftalatos, utilizados na indústria como amaciadores de plástico, benzofenonas, presentes nos filtros UV em filtros solares, parabenos, que são utilizados para prolongar a vida de prateleira de cosméticos, tais como champôs, ou bisfenol A (BPA) encontrados em plástico (policarbonato e resinas epóxi).

Este produto tem um número de estudos voltados Angel Nadal, diretor da Unidade de Fisiologia Celular e Nutrição da Universidade Miguel Hernández de Elche, o que torna muito de Olea. Nestes estudos, com ratos mostra que doses relativamente baixas de níveis bisfenol A exposição equivalente a diária e frequente na maioria da população, actuam “não mais como um estrogénio [hormona sexual feminina] fraco, mas como o estradiol [ a forma mais potente de estrogênio, entre outras coisas, influencia a distribuição da gordura corporal em mulheres] “, disse Olea.

A exposição a estes compostos “em determinados momentos do desenvolvimento níveis inadequados”, especialmente no estágio fetal ea primeira infância, influenciam tanto a obesidade e diabetes, o pesquisador acrescenta. De fato, outro estudo referido pelo CIBERobn, Nadal também insiste nesta idéia.

A indústria de plásticos nega sua obesidade causa produtos

Os pesquisadores da Universidade Miguel Hernández de Elche ratos grávidas expostas ao Bisfenol A durante os 19 dias de gestação na espécie. Todo o diabetes gestacional e desenvolveu a descendência desenvolveram a doença em seis meses. De facto, a relação com a diabetes é primeiro apresentado-obesidade.

Assim, a rede de pesquisadores de obesidade observado que estes compostos “não só de gordura, muito doente.” E a ligação com duas doenças estreitamente relacionadas com o diabetes: a síndrome metabólica (um conjunto de fatores de risco incluindo obesidade abdominal, hiperglicemia e hipertensão arterial, que tem 31% da população adulta espanhola, de acordo com a última edição do Jornal Espanhol Cardiology) e resistência à insulina. “A exposição simultânea a vários compostos orgânicos persistentes podem contribuir para dislipidemia, obesidade e resistência à insulina, os precursores mais comuns de diabetes”, disse Javier Salvador.

O pesquisador explica que o documento preparado por especialistas em obesidade não pretende ser alarmista, mas para chamar a atenção para a ligação entre excesso de peso e esses materiais tóxicos em experiências em animais e estudos epidemiológicos. Portanto, lembra que a obesidade é devido a uma combinação de fatores. Os poluentes ambientais são uma variável de uma equação complexa para a qual devemos adicionar genética, estresse, dieta ou exercício. Sem esquecer o velho. “É duas vezes mais comum em adultos mais velhos”, disse Salvador.

Diante da relação entre os poluentes e excesso de peso, especialmente entre BPA e obesidade, há vozes da indústria de plásticos, que rejeitam a conexão. “Não há nenhuma relação comprovada entre o BPA e obesidade”, diz PlasticsEurope, a associação dos fabricantes de matéria-prima plástica, em resposta a este jornal sobre o estudo da CIBERobn. Os relatórios que ligam este composto ao excesso de peso “são baseadas em um pequeno número de estudos”, contendo “um grande número de restrições”, entre os quais citam “pequenas amostras, número limitado de doses ou o uso inadequado de uma rota de exposição “. Assim, dizem eles, “não é possível extrapolar seus resultados para os seres humanos.”
Quilos e … mais de contaminados

O relatório da Biomedical Research Centre Network (CIBER) of Obesity conclui com um clímax singular: entre a poluição e obesidade é uma lista de retorno. A poluição confinamento através de desreguladores endócrinos, mas também acima do peso “tem um efeito adverso sobre a conservação e sustentabilidade do ambiente natural.”

Neste caso, o controlador de não ser qualquer um dos 600 compostos que alteram o metabolismo no Europeia censo mas dióxido de carbono, uma das causas de gases de aquecimento global. Embora a sua influência é pequena se comparada, por exemplo, sectores como os transportes ou da indústria.

A CIBER dá vários exemplos de estudos diferentes. Cada pessoa gorda é responsável pela emissão de quase uma tonelada extra de CO2 por ano do que uma fina, de acordo com um estudo publicado em 2009 no International Journal of Epidemiology Escola de Higiene e Medicina Tropical.

Um artigo baseado em uma filosofia semelhante Gryca Ania e assinado por outros autores no Journal of Obesity em 2011 sugeriu que a perda de peso de 10 quilos de todos os pacientes com obesidade e sobrepeso no mundo seria uma queda de 0,2% do produção de CO2 em 1997.

Outros estudos centrar-se nos custos do combustível adicionado envolvidos na transição para as pessoas mais pesadas. Uma investigação pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças estima que os EUA entre 1960 e 2002 poderia ter salvo a 0,7% das emissões de CO2 e consumo de combustível quando nenhum passageiro teve obesidade.

O custo estimado extra era de 3.700 milhões de litros de gasolina.

POLLUTION FATTENING

Several studies link chemicals predisposition to obesity
They are in creams or plastic and act as hormones

And … more kilos of contaminated

Spain has an obesity prevalence rate between 23% and 28%. / SANTI BURGOS

Pollution is not only associated with an increased risk of heart attacks, respiratory problems or develop tumors. Certain synthetic chemicals very present in the environment and everyday life (associated with pesticides and insecticides, but also perfumes, plastics and cosmetics) predispose to obesity, according to a growing number of studies. This was recently highlighted the Center for Biomedical Research Network, Pathophysiology of Obesity and Nutrition (CIBERobn), which brings together 24 leading research groups in Spanish obesity.

Some of these environmental pollutants are substances that pose as hormones (acting as endocrine disruptors, in the jargon), confuse the body and trigger metabolic derangements that modify the processes of accumulation of fat in the body.

While the interest was focused on the relationship between pollution (mainly air) and the main causes of death in developed societies (cancer and cardiovascular processes), little attention was paid to the involvement of other toxic overweight. But obesity is an epidemic and, as emphasized by Javier Salvador, CIBERobn researcher: “We’ve gone from a 12% prevalence in Spain between 23% and 28%.” And the study of the causes of overweight “is more and more fashionable,” said Salvador, who is also president of the Spanish Society of Endocrinology and Nutrition. Therefore, the focus is opening to understand what the role of these pollutants in common use both in this problem as in type 2 diabetes.

Toxic substances alter metabolism and confuse the body

The latest initiative to highlight this linkage has CIBERobn party through a compendium of recent studies published in recent years. “It’s a new field,” says Nicolas Olea, Professor of Medicine, University of Granada, and one of the main Spanish experts on the players of the relationship between environmental pollution and overweight.

Among them are the so-called persistent organic pollutants (POPs), chemicals with high resistance to degradation, which accumulate in the food chain and that being fat soluble, they concentrate in fat. For example, organochlorine pesticides such as DDT. “From his persistence gives us a good idea still was detected in 88% of the population when it was banned in 1975,” said Salvador.

They are joined seudopersistentes compounds, as noted by Olea. They have the same ability to look at the body, but exposure to these substances is so continuous that also act as endocrine disruptors on a daily basis.

These compounds
not only fat,
ill also

This group includes phthalates, used in the industry as plastic softeners, benzophenones, present in the UV filters in sunscreens, parabens, which are used to extend the shelf life of cosmetics such as shampoos, or bisphenol A (BPA) found in plastics (polycarbonate and epoxy resins).

This product has a number of studies focused Angel Nadal, director of the Unit of Cellular Physiology and Nutrition at the University Miguel Hernández de Elche, which makes much of Olea. In these studies, with rats shows that relatively low doses of bisphenol A exposure levels equivalent to daily and frequent in most of the population, “no longer act as an estrogen [female sex hormone] weak, but as estradiol [ the most potent form of estrogen, among other things, influences the distribution of body fat in women], “said Olea.

Exposure to these compounds “at certain times of inadequate levels development,” especially in the fetal stage and infancy, influence both obesity and in diabetes, the researcher adds. In fact, another study referred to by the CIBERobn, Nadal also insists on this idea.

The plastics industry denies their products cause obesity

The University researcher Miguel Hernández de Elche pregnant rats exposed to bisphenol A during the 19 days of gestation in this species. All developed gestational diabetes and the offspring developed the disease at six months. In fact, the relationship with diabetes is first brought to obesity.

Thus, the network of obesity researchers noted that these compounds “not only fat, too sick.” And the link with two closely related disorders with diabetes: the metabolic syndrome (a set of risk factors including abdominal obesity, hyperglycemia and high blood pressure who have 31% of the Spanish adult population, according to the latest edition of the Spanish Journal Cardiology) and insulin resistance. “The simultaneous exposure to several persistent organic compounds may contribute to obesity, dyslipidemia and insulin resistance, the most common precursors to diabetes,” said Javier Salvador.

The researcher explains that the document prepared by specialists in obesity is not intended to be alarmist, but to draw attention to the link between overweight and these toxic materials from animal experiments and epidemiological studies. Therefore recalls that obesity is due to a combination of factors. Environmental pollutants are a variable of a complex equation to which we must add genetics, stress, diet or exercise. Not forgetting the old. “It is twice as common in older adults,” said Salvador.

Faced with the relationship between pollutants and overweight, especially between BPA and obesity, there are voices from the plastics industry who reject the connection. “There is no proven link between BPA and obesity,” says PlasticsEurope, the association of manufacturers of plastic raw material, in response to this newspaper on the study of CIBERobn. The reports linking this compound to overweight “are based on a small number of studies” containing “a large number of constraints” among which cite “small samples, limited number of dose levels or using an inappropriate route of exposure “. Thus, they say, “is not possible to extrapolate their findings to humans.”
And … more kilos of contaminated

The report of the Biomedical Research Centre Network (CIBER) of Obesity concludes with a singular climax: between pollution and obesity is a list of return. The feedlot pollution through endocrine disruptors, but also overweight “has an adverse effect on the conservation and sustainability of the natural environment.”

In this case, the controller would not be any of the 600 compounds that alter the metabolism in the census European but carbon dioxide, one of the causes of global warming gases. Although its influence is small compared, for example, sectors such as transport or industry.

The CIBER gives several examples from different studies. Each fat person is responsible for the emission of almost an extra ton of CO2 per year than a thin, according to a study published in 2009 in the International Journal of Epidemiology School of Hygiene and Tropical Medicine.

An article based on a similar philosophy Gryca Ania and signed by other authors in the Journal of Obesity in 2011 suggested that a weight loss of 10 kilos of all patients with obesity and overweight in the world would be a fall of 0.2% of the CO2 production in 1997.

Other studies focus on the added fuel costs involved in moving to heavier people. An investigation by the Centers for Disease Control and Prevention estimated that U.S. between 1960 and 2002 could have saved 0.7% of CO2 emissions and fuel consumption when no passenger had obesity.

The estimated extra cost was 3,700 million liters of gasoline.

Nube de etiquetas

A %d blogueros les gusta esto: